Veterinário faz comparativo de linhagens de aves para postura | Coopeavi

Acesso rápido:

Índice

Veterinário faz comparativo de linhagens de aves para postura

O quarto módulo do Programa Anual de Capacitação de Avicultores – Qualificaves Postura Comercial, realizado dia 16 de agosto, durante a programação da 7ª Semana Tecnológica do Agronegócio (STA), em Santa Teresa, trouxe um comparativo técnico/econômico das linhagens W-36, Bovans White e W-80.

A palestra, promovida pela Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (AVES) em parceria com a Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi), foi ministrada pelo médico veterinário da Coopeavi Tarcísio Simões Pereira Agostinho, no auditório da STA, realizada no Parque de Exposições da cidade.

Considerado um tema sensível, a comparação foi feita baseada em diversos cenários, com apresentação de cálculos e situações variadas.

Tarcísio apresentou um perfil da avicultura do Brasil e do estado, com destaque para a produção capixaba, e mostrou dados baseados em simulações de lote de 10 mil aves, com três linhagens diferentes, escolhidas por serem as mais usadas na região.

Na tabela comparativa, os números levaram em consideração: percentual de produção, peso dos ovos, consumo e nível nutricional da ração, mortalidade, preço da franga, depreciação, mão de obra, esterco e descarte das aves.

Por meio de simulações, quesitos como maior persistência de pico, comportamento da ave e relação entre galpões automáticos e convencionais foram levados em conta.

“Nós mostramos a complexidade e as particularidades de cada linhagem, baseadas nos manuais das linhagens, informações fornecidas pela própria empresa de genética, sem favorecer a nenhuma delas. Apresentamos dados e situações para que vocês avicultores possam concluir o que é melhor”, explicou o palestrante.

O zootecnista da Coopeavi, Felipe Barreto, complementou: “Não existe uma linhagem ideal. Isso vai depender da realidade de cada um. O que é mais econômico: trabalhar com uma linhagem com resultado menor, não se preocupar muito com a sanidade do lote, ou trabalhar com uma linhagem mais eficiente, com melhor rendimento em conversão alimentar, e ter cuidado maior com biossegurança de um modo geral? É preciso analisar”, complementou.

Fonte: Assessoria de Imprensa AVES