Coopeavi cria novo núcleo feminino em Itarana | Coopeavi

Acesso rápido:

Índice

Coopeavi cria novo núcleo feminino em Itarana

Mulheres ligadas à cooperativa se organizam em grupo focado em cafeicultura na localidade de Alto Jatibocas, na zona rural do município

Um novo núcleo feminino ligado à Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi) está em fase de formalização em Alto Jatibocas, na zona rural de Itarana, conhecida localidade produtora de café arábica. O grupo conta com mais de 20 mulheres e tem como foco a cafeicultura de qualidade.

Desde dezembro do ano passado, já foram realizadas três reuniões, na Igreja Luterana local, e as participantes se mostram bem animadas com a possibilidade de se profissionalizarem no ramo em que já atuam ao lado dos pais, maridos e filhos.

É o caso da cafeicultora Leninha Herzog (36 anos), que participou do 1º Workshop de Degustação de Café promovido pela Coopeavi, no dia 18 de abril. “O café é a renda principal da maioria do grupo, é o nosso forte. Nós queremos aperfeiçoamento na atividade para termos mais chances de agregar valor à produção”, disse.

A bióloga da Coopeavi, Marcela Takiguti, é responsável pela implantação e coordenação dos núcleos femininos da cooperativa. Com o núcleo de Alto Jatibocas, a Coopeavi soma quatro projetos ligados diretamente às mulheres.

“As mulheres mantêm o bem-estar das famílias, e um dos parâmetros para atingir a sustentabilidade da agricultura familiar é o empoderamento delas. Se a mulher está feliz na propriedade, ela faz de tudo para manter o filho, não desanima o marido e tem mais vontade de ser agricultora e de estar à frente da propriedade e da atividade”, avalia Marcela.

Ainda de acordo com a bióloga, por meio do resgate da autoestima com as atividades dos núcleos, a Coopeavi está conseguindo fazer com que as mulheres permaneçam no meio rural e se orgulhem de pertencerem ao agro. “Nós priorizamos locais onde existe vocação para liderança feminina e elas sejam bem ativas na propriedade.”

A partir do grupo, a ideia é que as informações sejam compartilhadas com outras mulheres da região, de modo a tornar a cafeicultura uma atividade sustentável, com emprego e renda no meio rural.


Fonte: Coopeavi