Qualificaves: Encontro de Gerações na Empresa Familiar | Coopeavi

Acesso rápido:

Índice

Qualificaves: Encontro de Gerações na Empresa Familiar

Foi realizado no dia 10/11 o último módulo do Qualificaves Postura Comercial 2016, no Society Pomerano, em Santa Maria de Jetibá. O evento organizado pela Coopeavi em parceria com a AVES teve como tema a palestra "Encontro de Gerações na Empresa Familiar", ministrada por Usiel Carneiro de Souza, Administrador, Teólogo e Coaching. Além da palestra, também houve recreação para as crianças com pula-pula e casa de bolinhas.


Usiel destacou os principais pontos que devem ser observados em meio a um empreendimento familiar, de modo que este possa vir a se tornar um negócio de sucesso. “No que diz respeito ao relacionamento entre familiares no empreendimento, não se deve pensar que este ambiente promete menos, ao contrário, é um ambiente muito mais rico e com muito mais possibilidades nessa relação, embora tenhamos que não negar aspectos emocionais, das intimidades, das expressões e que de alguma forma gerem algum desgaste”, afirmou.


Segundo Usiel, quando falamos sobre as gerações pais e filhos, existem três coisas que todos os pais desejam para os seus filhos: felicidade, realização e fortalecimento. Eles querem que seus filhos sejam pessoas fortes, capazes de enfrentar a vida, enfrentando aquilo que não é agradável, sendo superado, e seguindo adiante.


“Um empreendimento familiar constitui-se num espaço espetacular pra que pais possam ajudar seus filhos na construção, na conquista dessas três coisas tão importantes na vida. A maioria das pessoas não encontra isso, porque a gente simplifica e reduz demais a nossa carreira existencial. Muitas vezes reduzimos muito a coisas, a recursos, a dinheiro, a posição. Um ambiente familiar tem a oportunidade de transcender isso, de acordar para o fato de que a nossa jornada de trabalho, aquilo que a gente empreende, aquilo que a gente quer alcançar, não é meramente o número que vai ser gerado, é sobretudo pessoas que estejam felizes, realizadas e no processo que estejam se fortalecendo, se tornando pessoas mais capazes”, frisou.


Pais devem se lembrar que ao longo do processo devem entregar aos filhos não um trabalho, mas sim uma missão, uma jornada de vida.  O mais importante no processo, mais do que os negócios feitos foi a relação construída. Pais devem mostrar o amor que há no coração por aquilo que fazem, para que os filhos possam aprender a cultivar esse amor. Esse amor pelo que se faz traz leveza, alegria, cria um ambiente diferente.


O segundo ponto é conquistar a nova geração valorizando a pouca experiência que ela possui. Ao contrário do que muitos acreditam, a inexperiência também possui valores a serem descobertos. Isso porque ela não tem paradigmas, ela não tem limites, ela se arrisca. Essa inexperiência permite fazer perguntas e tentar caminhos que a experiência nos impede de considerar. Essa também é uma forma de conquistar quem chega, para sentir-se parte deste empreendimento. Os seres humanos são viciados em só ver valor na experiência. Ao se valorizar também a inexperiência, ganha-se criatividade e também inovação.


Usiel acredita que a próxima geração precisa de um processo onde aprenda a confiar em si mesmo, para poder oferecer o melhor de si. “A juventude é impetuosa, mas não significa que ela tem tanta confiança. É no processo de dar espaço, de se permitir, que essa juventude vai encontrando segurança. Errar não é uma tragédia, não se deve tornar o erro um vilão dentro do empreendimento. Os prejuízos dos equívocos serão compensados pela responsabilidade que será desenvolvida. Só pessoas confiantes desenvolvem responsabilidade. Esta geração precisa aprender e enxergar a vida sobre a ótica do desafio e não da dificuldade. A cultura do desafio deve ser criada no empreendimento familiar. A dificuldade gera um pouco de desânimo, mas o desafio nos alimenta a enfrentar a vida com entusiasmo, com a capacidade e a ideia de que se pode superar”, disse.


Por fim o palestrante frisou que a próxima geração precisa ser ajudada a entender o lucro como algo que não compreende apenas dinheiro. Para ele, o negócio se torna lucrativo em aspectos mais diversos, como realização pessoal por exemplo. Isso envolve o modo como a própria existência se torna melhor por causa do empreendimento de que se participa. O ambiente não pode fracionar a família, quebrá-la. Esta deve ser uma inspiração a ponto de torná-lo melhor.


Após a palestra, os diretores da Coopeavi Argeo Uliana e Denilson Potratz fizeram o uso da palavra, agradecendo a parceria com a AVES na realização das capacitações durante o ano, e reafirmando os esforços da cooperativa em proporcionar o desenvolvimento técnico e profissional a todos os seus cooperados. Pela AVES, o assessor de comunicação Thagner Kuster agradeceu a todos pela presença e reforçou o convite para participação da 4ª Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba (FAVESU) que acontecerá nos dias 22 e 23 de junho de 2017 em Venda Nova do Imigrante.


Texto de Thagner Kuster/AVES

Fotos Relacionadas